Home Terça, 21 Novembro 2017
"A Gestão de Projetos é uma eficaz ferramenta para o desenvolvimento." Versão para impressão Enviar por E-mail

ENTREVISTAS APOGEP

 

Desta vez, estivemos à conversa com o presidente cessante da APOGEP, António Andrade Dias, sobre a Gestão de Projetos em contexto de catástrofe, como a dos recentes fogos florestais em Portugal. Oportunidade para conversar também sobre a relação da gestão de projetos com a Administração Central e Local. A sustentabilidade em gestão de projetos, as metodologias ágeis e o balanço de 9 anos à frente da APOGEP ficam para segunda parte desta entrevista, cuja publicação agora iniciamos e que se completará em dezembro.

 

 

Portugal viveu recentemente momentos dramáticos, em consequência dos fogos florestais. Que contributo pode a Gestão de Projetos trazer numa situação destas?

As minhas primeiras palavras, em meu nome pessoal e da Direção da APOGEP, são de solidariedade com as famílias enlutadas e com todos aqueles que de uma forma direta ou indireta foram tragicamente atingidos por estes acontecimentos.

 

Não só como gestor de projetos mas como dirigente associativo, a minha primeira reflexão quanto a este tema prende-se com a questão cultural. O “português” não planeia. Não gosta de planeamento. Vive o conceito de incerteza sem uma reflexão profunda quanto à necessidade de planeamento. Portanto, não podemos estar a falar do contributo da gestão de projetos quando o mindset nacional é reativo e falar de gestão de projetos é falar de planear, é gerir mudança , é gerir recursos que são escassos, é gerir risco.

 

Na prática, estamos a falar de crise, e crise é definida como um incidente que perturba as condições normais. Daí a crescente aposta internacional na gestão de projetos como um instrumento de contenção de crise.

 

 

Mas para dar esta resposta, precisamos de profissionais com as competências necessárias, processos e ferramentas adequados aos desafios impostos em situação de catástrofe e esse passa a ser o desafio para o poder político – dotar as estruturas dos recursos humanos e técnicos necessários a uma resposta preventiva. Não podemos constantemente pedir à sociedade milagres, quando a postura do Estado perante o risco segue o princípios do crente, da negação ou da avestruz.


Tem conhecimento da forma como a Gestão de Projetos participa neste tipo de processos noutras geografias, tanto na área da prevenção como no socorro às populações e na regeneração dos territórios? Pode partilhar exemplos?


Noutras geografias, em que a gestão de projetos apresenta níveis de maturidade mais elevados que em Portugal, associações profissionais e a academia acabam por trabalhar lado a lado, no desenvolvimento de frameworks que numa situação de catástrofe/crise respondem ou tendem a responder com maior eficiência aos desafios impostos – é o caso dos trabalhos desenvolvidos por organizações governamentais americanas.

 

Pergunto-me constantemente, perante o risco de um terramoto em Portugal, como vão funcionar os planos de contingência. Sem querer comparar, mas forçado a fazê-lo, basta colocar os olhos nas tragédias mais recentes para que todo o tipo de dúvidas possam ocorrer. As questões que ficam – O que fazer? Porque fazer? Como fazer? Com quem? Quando fazer? Quanto vai custar?


Anualmente, o continente americano é fustigado pelo flagelo dos incêndios, mas existe um claro entendimento da exposição à incerteza e à necessidade de gerir risco. Bens e vidas humanas são de igual modo expostas perante esse tipo de eventos...só que existem mecanismos e os mecanismos mesmo em situação de catástrofe funcionam.


E funcionam porque as instituições trabalham ao nível da gestão de projetos - processos simples, modelos e disciplina no planeamento, numa cultura em que prevenção/investimento é poupança no amanhã.


Quais as formas possíveis de articulação da Gestão de Projetos com a Administração Central e Local? O que se passa neste momento em Portugal neste domínio? E noutros países?


Temos a localização para Portugal de normas ISO, temos normas nacionais, mas não vemos a sua aplicação, que deveria ser transversal. Talvez fazer uma provocação: porque é que o Estado, ao solicitar ao Organismo de Normalização Sectorial APOGEP a responsabilidade na produção do acervo normativo, não é o primeiro player na sua aplicação? A resposta a essa pergunta seria a natural evolução da maturidade da gestão de projetos em Portugal e em especial na Administração Pública. Veremos o que o próximo ano nos reserva nesta matéria.


De qualquer forma, estou certo que, mais cedo ou mais tarde, o Estado terá que aumentar a sua eficiência, e esta passa pela utilização mais efetiva dos recursos disponíveis e pela difusão da gestão de projetos em todas as áreas de atuação. Se olharmos ao sucesso do Reino Unido, dos Estados Unidos, do Japão ou da Austrália, estes países acabam por representar as geografias onde a gestão de projetos se vem vindo a afirmar como uma eficaz ferramenta para o desenvolvimento.

 

(cont.)

 

Membro

Junte-se a nós nas redes sociais

logo linked inlogotipo facebook

 

Contacte-nos

APOGEP

Telefone: 21 8481440 - Email: info@apogep.pt
Sede: Rua do Conde de Redondo 8 - 6 Dt Lisboa

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.